sexta-feira, 5 de março de 1999

Gestão e acompanhamento ambiental de obras

Foram muitas as Empreitadas que acompanhei do ponto de vista ambiental, quer na óptica da Entidade Executante (empreiteiro) que na da Entidade Fiscalizadora (fiscalização). Entre as principais obras e projectos, são de destacar o PTNS na Margem Sul do Tejo (já referido num anterior post a propósito do ruído), a Linha do Alentejo e o Projecto de Reabilitação do Túnel do Rossio em Lisboa (todos na óptica da fiscalização, para a REFER, e contemplando um grande número de empreitadas, e.g. as estações ferroviárias do Pragal, Corroios, Foros de Amora, Fogueteiro, Coina, Penalva e Pinhal Novo; os túneis do Pragal, Feijó e Penalva e o já citado túnel do Rossio, com uma extensão de cerca de 2,300 km); os viadutos da Caparica, de Corroios, do Fogueteiro; o depósito de material circulante de Coina; as passagens superiores rodoviárias da Baixa da Banheira e da Moita; diversas passagens pedonais); acompanhei ainda, na óptica do empreiteiro, diversas obras, entre as quais a da construção da estação do metropolitano do Terreiro do Paço. Numa perspectiva mais abrangente de gestão ambiental, fui contratado em Julho de 2004 pela (então) Holland Railconsult, uma empresa holandesa especializada em construção ferrovuiária, tornando-me a partir do mês seguinte Gestor do Ambiente do Projecto de Implementação da Alta VCelocidade Ferroviária em Portugal, enquanto gestor privado, o extinto THR, trabalhando para a RAVE - Rede Ferriviária de Alta Velocidade, SA. Nesse projecto permaneci apenas 8 meses, tendo-o abandonado por razões de profunda discordância com o rumo que o projecto vinha tomando. Tornei em 2007 públicas as minhas tomadas de posição sobre o assunto do TGV, que poderão ser consultadas por exemplo aqui. Várias reacções na imprensa surgiram entretanto, por exemplo aqui, aqui, aqui, aqui, etc.

De todas as obras que acompanhei entre 1996 e 2007 resultaram inúmeros relatórios, técnicos muitos dos quais não posso aqui publicar por razões óbvias de confidencialidade. Quanto a publicações, o tema do acompanhamento ambiental de obras foi por mim tratado, com a ajuda dos colegas e amigos António Pedro de Jesus e Luís Briz, no artigo que aqui coloco à vossa disposição, e que infelizmente está muito desformatado:

Rodrigues, V.J.; Jesus, A.P. e Briz, L. (1999) – Gestão e acompanhamento ambiental de obras: o caso da obra na Margem Sul do Projecto de Travessia Ferroviária Norte-Sul. Actas da 6ª Conferência Nacional sobre a Qualidade do Ambiente, Vol 1: 461-472.

 Carregue sobre a imagem para aumentar. Para ler todo o artigo, vá aqui.

Como podem confirmar acima, este artigo é provavelmente o primeiro publicado em língua portuguesa  sobre o assunto. Quem o diz é o conhecido especialista português em Avaliação de Impacte Ambiental, Engº Júlio de Jesus, Sócio nº 1 da APAI - Associação Portuguesa de Impactes Nalgumas coisas fomos, de facto, os primeiros... (risos...)