quarta-feira, 14 de março de 2012

Adenda à nota sobre o (des)Acordo Ortográfico e Discurso sobre o Homo Efficientis

Fonte da imagem: picada aqui.

Para informação dos interessados, neste blogue pessoal continuará a escrever-se da forma que o seu autor, a caminho dos 47 anos de idade, aprendeu na Escola Primária de Cós, concelho de Alcobaça (escola, como tantas outras pelo país, há alguns anos encerrada por falta de crianças) ainda antes do 25 de Abril de 1974. Não se trata de uma questão de ser a favor ou contra o Acordo Ortográfico. Não sou nem linguista nem literato. Para mim a língua é um instrumento e não um fim em si mesmo. O fim continua a ser o de comunicar com os outros e o de expressar as minhas ideias e sentimentos junto dos outros. A palavra escrita é, por excelência, o instrumento do humanismo e da civilização. Embora não veja grande "lógica" em muitas das alterações introduzidas com o novo AO (não entendo em particular essa obsessão com o foneticismo, critério pelo qual poderia talvez escrever-se "cuperação" em vez de "cooperação" ou "culaborador" em vez de "colaborador"...), e me cause alguma náusea escrever "ata" em vez de "acta", ou "fato" em vez de "facto", sendo que a minha mente continua (creio que felizmente e sem necessidade de ir ao contexto) a distinguir entre aquele que espeta algo, o "espetador", e aquele que assiste a algo ou "espectador"; não obstante as densas dúvidas legais que persistem relativamente ao modus operandi da aplicação do AO em Portugal, sublinhadas por muitos e variados homens de letras nacionais; não obstante tudo isso, do que se trata no meu caso é simplesmente de uma questão de coerência: julgo que devo ser livre de escrever da maneira que me ensinaram neste país onde a sorte me fez nascer (aprendizagem feita à custa de muitas reguadas, pois sou daquele tempo vetusto em que as crianças, para o bem e para o mal, nunca tinham razão e não podiam queixar-se dos professores a ninguém, muito menos à família!), e que o Estado deve ter coisas bem mais importantes em que pensar do que na regulamentação da forma como se escreve no seu território, por sinal bastante desordenado e desertificado humanamente em muitas regiões. Continuarei pois tranquilamente a (re)inventar a língua dos meus antepassados, a inventar novas palavras, sem ter para isso que pedir licença ao Estado. Faço-o serenamente, sem qualquer instinto reaccionário e sem nenhum pensamento negativo em relação àqueles que adoptam uma ortografia diferente da minha. Sou, por natureza e convicções, liberal e pluralista. Julgo que, mais importante do que o instrumento, é aquilo que se faz, ou se pretende fazer, com ele. Por exemplo, acho incomparavelmente mais importante o Estado, enquanto guardião dos bens civis, preocupar-se com as falsidades que diariamente se escrevem e publicam do que com a língua, ou a ortografia, com que tais falsidades são redigidas. Bem sei que o tempo que vivemos, e que os meus irmãos de geração tão bem conhecem, não está bom para discussões teleológicas. Aliás para nós nunca esteve. Os fins não se discutem nem fazem parte da agenda política da ideologia dominante: ela prefere que nos distraiamos com os meios e com a sua "eficiência". Com o "aparato técnico", como avisava Marcuse.

A cama de Procrustes: imagem picada aqui.
O Homo efficientis

A palavra "eficiência" tornou-se para nós tão absoluta e inquestionável que talvez, em futuros estudos antropológicos, se venha a identificar uma nova - e perigosa - subespécie humana: o Homo efficientis, o tal "homem de acção" de que falava, no início do século XX, o poeta Fernando Pessoa pela voz de  Bernardo Soares. Espécie caracterizada pela sua a-historicidade, pela homogeneidade e fluidez informe com que se apresenta ao mundo e trata os assuntos; pelo desprezo que tem pela Política e pelo espaço público da Polis, e pela sua constante ansiedade em chegar rapidamente a lugar nenhum. Embora a geração a que pertenço tenha quase toda a sua vida experimentado as agruras de tal "evolução", julgo que, como em qualquer fase de transição evolutiva, ela não se revê claramente nessa nova subespécie humana. Até porque subsiste com frequência em nossos irmãos de geração a sensação estranha de termos chegado sempre demasiado tarde (ou cedo) aos lugares com narrativa, às tais "carreiras" e "profissões" que, segundo fomos endoutrinados, já não podem ser "para toda a vida", mas que, como sempre, continuam a sê-lo de facto para muitos - os das castas superiores, como Manu as considerava, mas com a grande diferença a Ocidente de ninguém saber a priori que elas existem. É claro que se soubéssemos a priori que estávamos condenados a nunca sair da cepa torta, jamais nos teríamos esforçado tanto para consegui-lo até porque, como Descartes dizia, o conhecimento não significa felicidade, bem pelo contrário! Não deve por isso haver ninguém no mundo mais infeliz do que o pobre rico em conhecimentos, nem ninguém mais feliz do que o ignorante possidente.

Dado que me considero um "ambientalista atípico" (noutra ocasião tratarei de explicar o que quero dizer com isso), acredito na importância de preservar a biodiversidade, a começar desde logo pela nossa grande Família Hominidae. E espero sinceramente que o Homo sapiens sapiens, de que acima de tudo me orgulho pois ainda é a espécie a que pertenço, não tenha a mesma sorte que teve, por exemplo, o seu primo Homo erectus pekinensis que o perspicaz Teilhard de Chardin ajudou a descobrir, e que acabe extinta pela subespécie Homo efficientis, muito mais apta e competitiva, e dotada de órgãos extremamente avançados: o Homo efficientis possui uma bexiga que só dá sinais de urinar quando completamente cheia, poupando água e energia ao meio ambiente; possui um cérebro que jamais duvida e que raramente se engana, controlado por um sistema operativo que tira partido de uma memória volátil e capacidade de processamento infinitas, libertando assim a pesada memória fixa antes causadora de frequentes "conflitos de fluxo". Ele realiza - Ah, suprema maravilha da tecnociência! - a fotossíntese, o que lhe permite viver sem a primitiva necessidade de ter de se alimentar, e dispensando assim a arcaica e ineficiente cavidade bucofaríngea geradora de desperdícios inaceitáveis de tempo e energia (para além das cáries) e fonte da crónica ineficiência das cadeias alimentares! A pele do Homo efficientis está dotada de nanopartículas fotosensíveis que lhe asseguram uma existência electricamente autónoma, inteiramente solar e renovável; e o seu corpo recicla todos os resíduos que produz, sólidos e líquidos, utilizando para tal o espaço liberto da cavidade crânio-encefálica, o que lhe traz importantes vantagens competitivas sobre o antepassado Homo sapiens sapiens, permitindo-lhe operar de um modo totalmente carbon free e limpo. A sociedade e a economia modernas, avançadas e competitivas como inevitavelmente se desejam, é pois disto mesmo que necessitam: da máxima eficiência que resplandece no novo paradigma de ser humano, o Homo efficientis.

Julgo contudo que seria bom manter alguns exemplares de nós vivos, em habitats adequados para o efeito, de preferência belos e resguardados da contaminação genética por parte da subespécie dominante (o Dubai, por exemplo, seria uma região a evitar a todo o custo, dado ser uma das dilectas do Homo efficientis). Dado que a evolução biológica é imparável, talvez mais tarde ou mais cedo se venha a criar também uma reserva para o Homo efficientis, de modo que as futuras gerações humanas possam ver com os seus próprios olhos como era subtil e engenhoso o seu comportamento, e como pôde, em tão pouco tempo - pouco mais de trezentos anos - pôr em risco toda a vida do Planeta, incluindo naturalmente a sua. Estou porém em crer que essa já não será uma tarefa para a minha geração