domingo, 17 de maio de 2009

DEBATE "QUE POLÍTICAS DE AMBIENTE PARA O SÉCULO XXI?" - Resumo e Agradecimento

(carregue sobre a imagem para ampliar)

Resumo e agradecimento:

Não é fácil a 8 conseguir manter-se um debate da natureza deste, para mais durante (apenas) cerca de uma hora e meia. Mas foi o que acabou por acontecer, graças à excelente moderação que teve. Pode dizer-se também que não houve propriamente um "consenso" quanto à desejável orientação das políicas de ambiente para as cerca de nove décadas que restam de um século iniciado de maneira algo perturbadora, para não dizer mais. Ficou vincada a ideia que foi grande o progresso feito em matéria ambiental nas últimas décadas, mas que muito está ainda por realizar, nomeadamente no domínio da integração de políticas que devem sobretudo visar o desenvolvimento sustentável. Em minha opinião, e na de alguns dos que participaram no debate, a actual "crise" pode vir a revelar-se um bom "elixir" para a necessária reflexão sobre a importância de basear as políticas de ambiente numa racionalidade mais abrangente, mais respeitadora da cultura dos povos e mais consentânea com os progressos no desenvolvimento dos novos espaços de cidadania que incluem, necessariamente, a Europa e a Lusofonia.

Neste sentido, voltou a evocar-se o Quinto Império, a ideia messiânica do grande português António Vieira, e que resplandece através dos tempos e das gerações na forma desse símbolo, hoje no coração da nossa bandeira, que é o do abraço armilar. Ousei mesmo dizer, seguindo os mestres Agostinho da Silva e Eduardo Lourenço, que Portugal, mais do que um Estado (um povo, um território, um governo) é uma ideia, um sonho humano por cumprir do qual somos herdeiros, e que nos vem desde há oitocentos anos dando luz para vermos muito para além do umbigo das nossas certezas e das nossas fronteiras. Saibamos pois honrar o nosso destino, que é esse de encontrarmos irmãos em toda a parte. E desejei que as políticas de ambiente fossem mais de integração do que de "dominação".

Queria também agradecer aos meus queridos alunos e colegas da Universidade Lusófona, e a outros amigos de fora da Universidade que compareceram "em massa" ao debate, e para o qual contribuíram com a sua energia e entusiasmo (confesso que me teria agradado mais tempo para intervemções da plateia, mas foi o que se conseguiu arranjar...). Para lá dos partidos e das querelas partidárias com que hoje se vão tecendo as políticas, incluindo naturalmente as do ambiente, existem pessoas reais, mulheres e homens que sentem e que respirando sonham. É dentro de cada uma delas que está a solução para os muitos males que hoje afligem o mundo. Não em nenhum "Olimpo" reservado a super-homens!